Parque das 8 Cachoeiras, paraíso na Serra Gaúcha

Remanso, Escondida, Neblina, Ronda, Pilões, Ravina, Quatrilho e Gêmeas Gigantes. Ufa! Foram todas! Essas são as oito quedas que dão nome ao Parque das 8 Cachoeiras, em São Francisco de Paula – RS. Neste post falamos da Rota das Cachoeiras, em Corupá – SC, mas a Serra Gaúcha também conta diversas cachoeiras incríveis dentro do mesmo parque, vem ver. 

São quatro diferentes trilhas que te levam conhecer as 8 cachoeiras principais do parque. Todas as trilhas são bem sinalizadas e com placas indicando a distância e o tempo até determinada queda. Também há pontes, cordas e escadas para auxiliar nos pontos críticos. 

As trilhas são de diferentes níveis, há opções com menos de 1km, onde é possível chegar em 15 minutos, como a Cachoeira do Remanso. Mas também há cachoeira que você precisará caminhar 10 km, cruzando o rio diversas vezes, o que pode levar até 5 horas, como a Cachoeira das Gêmeas Gigantes, queridinha do público e a qual  exige mais esforço dos trilheiros. Mas, uma coisa todas têm em comum, a água gelada, até mesmo no verão.

Dá para fazer todas no mesmo dia? Dá! Mas, não recomendo. Ao fazer todas num único dia, você não terá muito tempo para apreciar as quedas, tão pouco para banho. Terá que chegar no parque logo quando ele abrir e dar preferência para fazer no verão, quando escurece mais tarde. Mas sim, é possível fazer todas no mesmo dia, neste caso, comece conhecendo a Gêmeas Gigantes. 

Cachoeira das Gêmeas Gigantes

Cachoeira das Gêmeas Gigantes, Parque das 8 Cachoeiras São Francisco de Paula
Cachoeira das Gêmeas Gigantes

Ela é a mais longe e de nível difícil, mas também é uma das mais belas. Ela tem quase 100 metros de altura, 98 metros para ser exata. São 5 quilômetros até ela e mais 5 para voltar, com 22 travessias do Arroio Malakow, o que pode fazer com que você leve até 5 horas para completar a trilha entre ida e volta, por isso, só pode ser iniciada antes do meio-dia. 

O início da trilha é tranquilo, tem uma bifurcação para visitar as cachoeiras Pilões e Ravina, você sai da trilha principal e depois retorna. Haverá outro ponto que será necessário sair da trilha principal para conhecer a cachoeira do Quatrilho, esse “desvio” será mais curto. Tudo é muito bem sinalizado, sempre com placas nas bifurcações. Recomendo fazer esses desvios no retorno da Gêmeas.

Após esses pontos, você começa as travessias, há locais onde é necessário passar com água na altura dos joelhos, isso também impede de realizar essa trilha em épocas de chuvas. Atenção com as pedras soltas e pontos escorregadios. Mesmo sendo a mais longa, ao chegar nela, além de apreciar a bela vista, também é possível tomar um bom banho. Então, aproveite! 

Cachoeira do Quatrilho

Outra cachoeira que vale o esforço, é a Cachoeira do Quatrilho. Ela fica no meio da trilha até as Gêmeas, são cerca de 2.400 km, e chegando lá, também é possível tomar um belo banho de cachoeira. São duas quedas, totalizando 40 metros, há um poço ótimo para banho. Antes do banho, é necessário muita atenção para percorrer os últimos metros, há uma escada para auxiliar na descida e depois é necessário cruzar o rio entre as duas quedas. Quando o nível do rio está baixo, é possível cruzar sem grandes dificuldades. 

Pilões

O início da trilha da Cachoeira Pilões é o mesmo das Gêmeas Gigantes, mas logo você irá sair da trilha principal e fazer um desvio à esquerda. A trilha tem 1770 km entre ida e volta é considerada de difícil acesso pois há diversas escadas e grande altimetria, não recomendada para quem tem medo altura ou problemas de coração. A queda d’água é bem tímida, tem 30 metros de altura, e não há pontos para banho.

Ravina

Cachoeira Ravina Parque das 8 Cachoeiras São Francisco de Paula
Cachoeira Ravina

Depois de passar pelas escadas e chegar na queda dos Pilões, basta seguir a trilha e logo estará na Cachoeira Ravina, com 35 metros de altura. Aqui, pode ficar tranquilo que não haverá mais escadas.

Mas, agora, será necessário andar dentro do rio na maior parte do tempo, cruzando-o em alguns pontos e caminhando sob as pedras em outros pontos. Por isso, ela é considerada nível difícil e, em caso de chuva, a visita não é recomendada. Se for época de pouca chuva, você consegue acessar a cascata sem molhar os pés.

Se o tempo estiver bom, aproveite, pois no caminho você também vai encontrar as cascatinhas dos Xaxins, Perau Redondo e o Templo da Ravina, todas próprias para banho. 

Remanso

Considero essa a mais fácil de todas, a trilha é curta, bem aberta e leva apenas 15 minutos entre ida e volta. A queda tem 75 metros e acontece em dois estágios, com uma beleza diferenciada, a qual rende ótimas fotos. A cachoeira é imprópria para banho e antigamente funcionava uma pequena usina hidrelétrica, a qual fornecia energia para o parque, mas atualmente está desativada. Ao lado da cascata tem uma espécie de caverna com aproximadamente dois metros.

Escondida

Passando a Cachoeira do Remanso, a trilha irá seguir até a Cachoeira Escondida. Porém, a trilha começa a complicar um pouco, afinal ela está escondida. =) 

Ou melhor, nem tanto, pois a trilha se estende por apenas mais 1 km desde o Remanso, o caminho é sinuoso e você terá que passar por algumas pedras e raízes de árvore. A natureza ao redor da trilha é belíssima, você estará cercado por um cânion. A queda d’água tem 40 metros e quando visitei o local, havia pouca água, ficando apenas na lateral do paredão. 

Neblina

Todas as cachoeiras até agora apresentadas, ficam na parte inferior do parque, e há outra trilha na parte superior que leva para as cachoeiras Neblina e Ronda. Ambas são impróprias para banho. 

Para conhecer a Cachoeira da Neblina, com 45 metros de altura, você vai caminhar por cerca de 600 metros em um terreno aberto, como uma estrada, sem obstáculos. Em seguida, você entrará em uma trilha à esquerda com 460 metros até a cachoeira. A trilha é linda, cercada por xaxins e tem escadas para auxiliar nos trechos mais complicados. 

Ronda

Depois de visitar a Cachoeira da Neblina, você deve voltar para a primeira parte da trilha e seguir a estrada até a entrada da Cascata da Ronda. Entretanto, dessa vez o caminho muda bastante, há diversas subidas íngremes e com o terreno acidentado. Você vai cruzar o riacho por uma ponte e continuar a subida. No final da trilha encontrará a maior cachoeira do parque, com 100 metros de altura e em épocas de cheias ela fica ainda mais linda. 

Camping do Parque

Há camping dentro Parque das 8 Cachoeiras, sendo possível acampar e conhecer o local com tranquilidade. No local há cozinha, com geladeira, fogão e pia, também há churrasqueiras.

De forma geral, considero o valor alto para infraestrutura oferecida. Se você chegar um pouco tarde, já não terá mais local plano para montar a barraca, nem mesas disponíveis. Os banheiros do parque também são bem precários, mas utilizáveis.

O valor da diária é R$ 50,00 (2020) para 24 horas. Ou seja, a cada 24 horas completadas, você pagará uma nova diária. Se você chegar às 9h do sábado, sua diária irá finalizar às 9h do domingo. 

Também há opção de pousada, com hospedagem em cabanas.

Informações Gerais:

Horário de funcionamento: 8h30 às 18h.
Valor: Entrada do parque: R$ 25 e Camping: R$ 50 para 24h.
Endereço: Rua Moinho Velho, 817 – São Francisco de Paula/RS
Mais informações e reservas: pelo site parque8cachoeiras.com.br ou whatsapp (54) 99964-5200.

Como chegar: 

O Parque das 8 Cachoeiras fica a 2,5 km do Lago São Bernardo, o qual vale a visita também, sendo o principal ponto turístico de São Francisco de Paula. Você terá que dar praticamente toda a volta no lago, pois o sentido é único e a entrada para a Rua Moinho Velho, fica à esquerda da parte central do lago. Há placas durante o percurso e a maior parte da estrada é de terra, mas não tem grandes dificuldades e geralmente está em boas condições. 

Avaliação geral: 

Os amantes da natureza vão adorar o local, há trilhas de diferentes níveis, tudo muito bem sinalizada e boa infraestrutura nas trilhas. Recomendo conhecer o local. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *